ROLANDO TORO


Rolando Mario Toro Araneda nasceu no Chile em 1924. Iniciou a carreira como professor do ensino básico, tendo exercido entre 1944 e 1957, e fez estudos posteriores em Psicologia e Antropologia. A sua coragem pedagógica e criatividade abriram portas a uma ampla actividade docente, primeiro como Professor de Psicologia da Educação na Universidade de Concepción, mais tarde como Professor do Centro de Estudos de Antropologia Médica na Universidade do Chile. Foi ainda Professor de Psicologia da Expressão e da Arte na Universidade Católica do Chile. As primeiras experiências com Biodanza, à época denominada Psicodanza, ocorrem entre 1968 e 1973, no Instituto de Estética da Universidade Católica do Chile e no Hospital Psiquiátrico de Santiago. Como parte de um esforço de humanização das instituições psiquiátricas, Toro introduziu a expressão pictórica e a música na sua investigação com doentes mentais. A observação de padrões motores em patologias distintas e a percepção de que toda a música gera movimento (podendo ter efeito euforizante, harmonizador ou ansiolítico, por exemplo), foram os alicerces para a criação de um sistema de reabilitação humana com forte dimensão corpórea e de alcance universal.

A Biodanza que hoje conhecemos é a síntese do estudo e do percurso biográfico de Rolando Toro. Aos seus olhos, impunha-se um novo paradigma face às atrocidades da guerra, ou de regimes como a ditadura militar de Pinochet, que o forçou ao exílio. Por outro lado, desejava veementemente combater as enfermidades da cultura, disseminando a experiência do amor, do êxtase, da ecologia, da fraternidade, da energia criadora e do ímpeto vital. Para resgatar a sacralidade da vida, a Biodanza foi definida como uma Ars Magna, ou Arte Maior, onde se conjugam saberes e intuições das ciências exactas, das ciências humanas e da arte. 

Rolando Toro viveu na Argentina, no Brasil, em Itália, e regressou ao Chile em 1998. A partir da International Biocentric Foundation, dirigiu as Escolas de Biodanza implantadas por todo o mundo. Em 2001, foi nomeado para o Prémio Nobel da Paz pelo seu trabalho em Biodanza e Educação Biocêntrica. Deixou-nos em 2010, aos 85 anos de idade.